A mulher na cabine 10

Escritora: Ruth Ware ǀǀ Editora:…

View more

Usei… E gostei!

Se você assim como eu…

View more

Antepasto de berinjela

Ingredientes • 1 berinjela grande…

View more

Mês: Setembro

Este mês as dicas de…

View more

Motive-se

Para acabar com a negatividade…

View more

Meu pé de laranja lima

Escritora: José Mauro de Vaconcelos…

View more

Mês: Agosto

As aulas já começaram, por…

View more

Danoninho caseiro

Esta é uma receita que…

View more

Mês: Julho

Julho 2018

Os livros que irei indicar hoje viraram séries fantásticas, e como estamos no mês das férias, dá para ler o livro e ainda começar a assistir a série se vocês quiserem. Não sei vocês, mas eu prefiro ler antes de assistir…

1. Anne de Green Gables de L. M. Montgomery – Editora Martins
Descrição: Uma menina de 11 anos, com cabelos ruivos, sardas e uma mente tão perspicaz quanto a de um cientista em busca de conhecimento, chega a uma terra onde as tardes são calmas; os pores do sol alaranjados; as florestas aconchegantes; e os rios suaves, como o ritmo do povoado. Sua boca é uma matraca, e seus sonhos são maiores que moinhos de vento. Anne vai crescendo e crescendo, e de patinho feio revela-se um elegante e atento cisne, pronto para abrir suas asas e voar para além das veredas. Mas a vida é feita de artimanhas, e a garotinha adotada pelos irmãos Marilla e Matthew tem algumas cercas a pular, sem jamais deixar seus sonhos desvanecerem, como algumas criaturas fazem.

2. Under the dome de Sthephen King – Editora Suma de Letras
Descrição: Em um dia como outro qualquer em Chester’s Mill, no Maine, a pequena cidade é subitamente isolada do resto do mundo por um campo de força invisível. Os moradores da cidade percebem que terão de lutar por sua sobrevivência. O isolamento expõe os medos e as ambições de cada um, até os sentimentos mais reprimidos. Assim, enquanto correm contra o pouco tempo que têm para descobrir a origem da redoma e uma forma de desfazê-la, ainda terão de combater a crueldade humana em sua forma mais primitiva.

3. Outlander – A viajante do tempo (Livro I) de Diana Gabaldon – Editora Arqueiro
Descrição: Em 1945, no final da Segunda Guerra Mundial, a enfermeira Claire Randall volta para os braços do marido, com quem desfruta uma segunda lua de mel em Inverness, nas Ilhas Britânicas. Durante a viagem, ela é atraída para um antigo círculo de pedras, no qual testemunha rituais misteriosos. Dias depois, quando resolve retornar ao local, algo inexplicável acontece: de repente se vê no ano de 1743, numa Escócia violenta e dominada por clãs guerreiros.
Tão logo percebe que foi arrastada para o passado por forças que não compreende, Claire precisa enfrentar intrigas e perigos que podem ameaçar a sua vida e partir o seu coração. Ao conhecer Jamie, um jovem guerreiro das Terras Altas, sente-se cada vez mais dividida entre a fidelidade ao marido e o desejo pelo escocês. Será ela capaz de resistir a uma paixão arrebatadora e regressar ao presente?

4. Orange is the new black de Piper Kerman – Editora Íntrinseca
Descrição: Quando era jovem, tudo o que Piper Kerman queria era viver novas experiências, conhecer pessoas diferentes e descobrir o que fazer com o diploma recém-adquirido da prestigiosa Smith College. Anos depois, com um bom emprego e prestes a se casar, ela recebe uma visita inesperada: a polícia. Piper estava sendo intimada para responder por envolvimento com o tráfico internacional de drogas.
A acusação era verdadeira: recém-formada, Piper teve um caso com uma traficante glamorosa que a convenceu a levar uma maleta de dinheiro para a Europa. Sua aventura pelo submundo do crime voltou à tona no dia em que a polícia bateu à porta dela. Depois de uma dolorosa odisseia pelo sistema judiciário americano, Piper é condenada a quinze meses de detenção numa penitenciária feminina no meio do nada — longe dos amigos, da família e de tudo o que ela conhecia.
Em ‘Orange Is the New Black’, Piper apresenta casos curiosos, perturbadores, comoventes e divertidos do dia a dia no presídio. Cercada de criminosas, logo percebe que aquelas mulheres são muito mais complexas do que ela imaginava. Ao mesmo tempo que aprende a conviver com regras arbitrárias e um rigoroso código de conduta, Piper revela as alegrias e angústias das presidiárias e analisa a crueldade com que o sistema carcerário as desumaniza e faz com que sejam invisíveis ao mundo exterior.

Mês: Julho

Almôndegas assadas

Brincando na cozinha

Ingredientes

• 500 gramas de carne moída
• 1 pacote de creme de cebola
• 1 ovo
• pimenta-do-reino a gosto
• sal a gosto
• cheiro verde a gosto

Modo de preparo

Em um vasilhame junte todos os ingredientes e vá acrescentando o creme de cebola até dar a liga na carne, quando a carne estiver desgrudando da mão e dando para formar bolinhas, estarão prontas as suas almondegas.

Próximo passo, unte uma forma com papel alumínio, porque desta maneira você fará menos sujeira (e ninguém merece ficar ariando a forma depois rs) coloque as bolinhas de almôndegas na forma e cubra-as com papel alumínio para cozinhá-las, leve-as ao forno por 30 min, depois retire o papel alumínio até dourá-las.

Almondegas assadas

E agora suas almôndegas assadas estão prontas para serem servidas, mas se você quiser poderá fazer um molho vermelho para acompanhá-las. Mas elas ficam tão gostosas que como até sem molho!

Mês: Julho

Julho 2018

Com a chegada das férias, chegou também a oportunidade de ler mais, por isso as quatro indicações de hoje são sobre livros que nos trazem histórias infanto-juvenil tendo como tema as… Férias!

1. Minhas férias de Marcelo Coelho – Editora Companhia das Letrinhas
Descrição: ´Eu sempre achava que devia entrar em alguma aventura. Não é que eu fosse muito corajoso. Mas achava bacana imaginar alguma coisa como as que acontecem nos livros – garotos que se perdem numa ilha misteriosa, numa caverna, descobrem um tesouro, enfim, aquilo tudo que se sabe´.
Marcelo Coelho é do tempo em que ninguém escapava de fazer uma redação sobre as férias. O tema não perdeu atualidade, mas antes era regra absoluta. Entrava ano, saía ano, e lá vinha uma professora de português propondo aos alunos que contassem todas as coisas interessantes que tinham vivido no período de descanso. Os alunos eram obrigados a escrever – mesmo que nada de interessante tivesse acontecido com eles.

2. Minhas férias, pula uma linha, parágrafo de Christiane Gribel – Editora Salamandra
Descrição: “Aqueles dois meses inteirinhos de despreocupações estavam prestes a virar 30 linhas de preocupações com acentos, vírgulas, parágrafos e ainda por cima com a letra legível depois de tanto tempo sem treino.’ – Guilherme está no 7º ano, e em seu primeiro dia de aula se vê obrigado a fazer uma redação sobre suas férias. Mas será que é tão divertido assim ver momentos alegres sujeitos a valer nota?

3. As férias da Bruxa Onilda de E. Larreula – Editora Scipione
Descrição: O calor estava infernal, então Bruxa Onilda decidiu tirar férias na praia. Só que ela não sabia como era famosa. Mesmo com chapéu de palha e óculos de sol, tinha de dar autógrafos a uma multidão. Mesmo assim, participou de um concurso de castelos de areia e ganhou o primeiro lugar. O prêmio era uma prancha de windsurfe. Foi aí que começaram as confusões. Bruxa Onilda quase se afogou, foi levada para o hotel e, de tão assediada, decidiu fugir pela janela. O fim das férias foi no hospital, e nem ali ela teve sossego.

4. As férias de Miguel e Pedro de Ruth Rocha – Editora Melhoramentos
Descrição: Miguel e Pedro estão de férias. Eles querem ir para a praia, e não para o sítio do tio Chico, em Minas Gerais. Mas a viagem para a praia não dá certo e eles acabam indo para o sítio. O que fazer lá, já que não tem nem TV nem videogame? Isso eles só descobrem depois, ao entrar no jipão do tio Chico e ao encontrar os primos. Será que dois meninos da cidade vão se divertir no interior?

Julho 2018

Motive-se

Motive-se

Mais um Motive-se para terminar o mês de junho….

Hoje vim apresentar o Flávio Wetten um ilustrador de Rio Claro, São Paulo. Achei as artes com frases dele no Pinterest e realmente elas me servem de inspiração e espero que inspirem a todos vocês!

 

Motive-se Motive-se

 

Essas frases são mais do que inspiração em um dia turbulento e cheio de problemas! E essas e outras inspirações vocês podem encontrar no instagram do Flavio @lifeonadraw.

Espero que assim como para mim, estas frases tenham dado uma luz no fim do túnel para vocês leitores 😀

 

 ǀǀ Quer entender o que é o Projeto Motive-se? Venha conferir clicando aqui  ǀǀ

Nossos dias infinitos

Escritora: Claire Fuller ǀǀ Editora: Morro Branco ǀǀ 329 Páginas ǀǀ Gênero: Young Adult ǀǀ Classificação: 2,5

Nossos dias infinitosInformações: Todos os pais mentem. Mas algumas mentiras são maiores do que as outras. ‘Datas só nos fazem perceber quão finitos nossos dias são, quão mais perto da morte ficamos a cada dia que passa. De agora em diante, Punzel, vamos viver seguindo o sol e as estações’. Ele me pegou no colo e me girou, rindo. ‘Nossos dias serão infinitos’. Com aquela última marca, o tempo parou para nós em 20 de agosto de 1976′. Peggy tinha oito anos quando seu pai a levou para viver em uma remota cabana no meio de uma floresta europeia. Lá ele lhe disse que sua mãe e todas as outras pessoas do mundo morreram. Agora eles precisam viver da terra e sobreviver ao rigoroso inverno. Mas até quando a pequena Peggy vai acreditar na história de seu pai? Até quando você pode ficar são, quando o mundo está perdido? O que acontece quando você para de crer em tudo?

Opinião: Somos conduzidos durante a história por Peggy, mais conhecida como Punzel – abreviação de Rapunzel. A narrativa acontece em dois momentos, em 1976 e 1985, ou seja, os fatos anteriores e os recentes de sua vida.

Já começamos o livro meio perdidos, pois nos deparamos com a Peggy sem o seu pai, diferente do que lemos na sinopse, mas com o decorrer dos capítulos entendemos a história e ela começa a fluir melhor. Ute, a mãe de Peggy é uma pianista alemã muito famosa que se casou com James, que passa a fazer parte de um grupo conhecido como Refugiados do Norte de Londres e que não trabalha, pois a todo momento fica pensando em como eles irão sobreviver ao fim do mundo, por isso ele cria um bunker debaixo de sua casa e passa a treinar a Peggy para a hora em que este dia finalmente chegar.

Ute não parece gostar muito dos planos do marido e de seus amigos – sempre há reuniões do grupo em sua casa -, por isso acaba indo fazer uma turnê na Alemanha, mas foi uma decisão tão inesperada que tanto o pai como a filha ficaram sem saber o que fazer, o pai não sabia ficar só em casa, por isso decretou que Punzel não iria a escola até sua mãe voltar, logo passaram a viver nos arredores da casa – no cemitério e no jardim -, caçando e vivendo do que a natureza fornecia. Até que após um discussão por telefone com Ute, James resolve fazer as malas e ir embora com a Peggy, ele diz a menina que irão sair de férias.

Nossos dias infinitos

Com o passar do tempo, depois de andar muito, passar fome, Peggy passa a sentir saudades de casa e pergunta constantemente de sua mãe, mas o James sempre a enrola e diz que eles já já vão chegar na die hütte (a cabana) que eles tanto desejam… Assim que chegam, Punzel quer voltar para casa, mas seu pai diz que não existe mais casa e ninguém mais no mundo a não ser eles e que ali é onde eles irão morar agora, pois eles não podem atravessar a Grande Divisa. A partir daí a vida deles como moradores da die hütte começa, eles precisam se manter vivos e sobreviver às estações mais pesadas, como o inverno.

O livro todo momento deixa clara a visão de Peggy, seus medos e até mesmo sua opinião sobre os surtos e devaneios de seu pai, que é instável emocionalmente. Para ser sincera foi uma leitura bem difícil, pois eu queria logo saber o porquê do pai achar que o mundo iria acabar e porquê ele levou Peggy deixando sua esposa sem nenhum bilhete, mas estas respostas não são dadas claramente, temos que subentender – o que não é muito difícil rs.

Nossos dias infinitos

Este não foi um livro que me agradou muito, na verdade não sei dizer qual é o meu sentimento por ele, pois o fechamento foi tão inusitado que me passou pela cabeça que não verdade ele é um livro de suspense e não de drama. Toda vez que tento pensar qual o meu sentimento com relação a ele, eu não consigo chegar a ponto nenhum… Mas é um livro com uma belíssima capa, com uma ótima diagramação e alguns erros ortográficos, e a escritora ainda teve a sensibilidade de nos fornecer algumas perguntas para um eventual Clube do Livro, achei fofo ♥