[post-slides]

Mês: Dezembro

Mês Dezembro

Não sei vocês, mas gosto de conhecer um pouco mais sobre o holocausto e como viveram as pessoas durante o período da Segunda Guerra Mundial. Estas histórias servem como lição de vida para nós que as vezes reclamamos do mínimo, porque essas pessoas viveram com tão pouco, achavam soluções para seus problemas e sabiam ver o lado bom das coisas mesmo em meio a tanta tragédia, por isso como dica vim trazer alguns livros que tem como base a Segunda Guerra Mundial.

1. O Menino Dos Fantoches de Varsóvia de Eva Weaver – Editora Novo Conceito
Descrição: Mesmo diante de uma vida extremamente difícil, há esperança. E às vezes essa esperança vem na forma de um garotinho, armado com uma trupe de marionetes – um príncipe, uma menina, um bobo da corte, um crocodilo… O avô de Mika morreu no gueto de Varsóvia, e o menino herdou não apenas o seu grande casaco, mas também um tesouro cheio de segredos. Em um bolso meio escondido, ele encontra uma cabeça de papel machê, um retalho… o príncipe. E um teatro de marionetes seria uma maneira incrível de alegrar o primo que acabou de perder o pai, o menininho que está doente, os vizinhos que moram em um quartinho apertado. Logo o gueto inteiro só fala do mestre das marionetes – até chegar o dia em que Mika é parado por um oficial alemão e empurrado para uma vida obscura. Esta é uma história sobre sobrevivência. Uma jornada épica, que atravessa continentes e gerações, de Varsóvia à Sibéria, e duas vidas que se entrelaçam em meio ao caos da guerra. Porque mesmo em tempo de guerra existe esperança.

2. A Bibliotecária de Auschwitz de Antonio G. Iturbe – Editora Harpercollins
Descrição: Muitas histórias do horror e sofrimento testemunhados dentro dos campos de concentração nazistas são contadas e recontadas, já estão gravadas e arquivadas. É difícil, nesses relatos, encontrar atos de esperança e força diante de todo o mal registrado durante o Holocausto. A Bibliotecária de Auschwitz é um livro diferente. É uma história verdadeira e cheia de detalhes a respeito de um professor judeu, Fredy Hirsh, que criou uma escola secreta dentro do bloco 31, no campo de concentração de Auschwitz, dedicando-se a lecionar para cerca de 500 crianças. Criou também uma biblioteca de poucos volumes com a ajuda de Dita Dorachova, uma menina judia de 14 anos que se arriscava para manter viva a esperança trazida pelo conhecimento e escondia os livros embaixo do vestido. É um registro de uma época sofrida da História, mas que também mostra a coragem de pessoas que não se renderam ao terror e se mantiveram firmes usando os livros como “arma”.

3. O Zoológico de Varsóvia de Diane Ackerman – Editora Harpercollins
Descrição: Jan e Antonina Zabinski eram os encarregados cristãos do Jardim Zoológico de Varsóvia quando, no início da Segunda Guerra Mundial, a Alemanha invadiu a Polônia, e os bombardeios que destruíram a cidade mataram boa parte dos animais. O casal passou, então, a esconder judeus nas celas vazias, aproveitando a obsessão dos nazistas por animais raros e com isso salvou mais de trezentas pessoas condenadas. Sua história, no entanto, desapareceu por entre as frestas da ‘grande’ História, como às vezes acontece com os atos de compaixão radical e extrema coragem. Este livro de Diane Ackerman é o testemunho poderoso dessa coragem, uma história que celebra, com rara sensibilidade, a beleza, o mistério e a tenacidade do espírito humano e da própria vida.

4. Os meninos que enganaram os nazistas de Joseph Joffo – Editora Vestígio
Descrição: Paris, 1941. O país é ocupado pelo exército nazista e o medo invade as casas e as ruas francesas. O poder de Hitler se mostra absoluto e brutal na França… É durante um dos períodos mais turbulentos da História que a emocionante narrativa de Joseph e Maurice se desenrola. Irmãos judeus de 10 e 12 anos de idade, eles perambulam sozinhos pelas estradas, vivendo experiências surpreendentes, tentando escapar da morte e em busca da zona livre para ganhar a liberdade. Essa é uma história real, autobiográfica, cuja espontaneidade, ternura e humor comprovam o triunfo da humanidade e da empatia nos momentos mais sombrios, quando o perigo está sempre à espreita… “Os meninos que enganavam nazistas” conta a fantástica e emocionante epopeia de duas crianças judias durante a ocupação, narrada por Joseph, o mais jovem.

Mês Dezembro

Você sabia?

Uma das mais antigas escritoras de suspense policial mais aclamadas do mundo terá um de seus livros adaptado para as telinhas do cinema em 17 de novembro pela Fox Film, sabem quem é?

O livro Assassinato no Expresso do Oriente de Agata Christie foi adaptado para as telinhas, e já, já poderemos assisti-lo. A história foi dirigida por Kenneth Branagh e teve como roteirista o Michael Green e conta com grandes atores, como Kenneth Branagh, Johnny Depp, Daisy Ridley, Michelle Pfeiffer, Josh Gad, entre outros.

Assassinato no Expresso do Oriente Assassinato no Expresso do Oriente

A adaptação promete ser fiel, por isso segue abaixo a descrição do livro.

Nada menos que um telegrama aguarda Hercule Poirot na recepção do hotel em que se hospedaria, na Turquia, requisitando seu retorno imediato a Londres. O detetive belga, então, embarca às pressas no Expresso do Oriente, inesperadamente lotado para aquela época do ano.
O trem expresso, porém, é detido a meio caminho da Iugoslávia por uma forte nevasca, e um passageiro com muitos inimigos é brutalmente assassinado durante a madrugada. Caberá a Poirot descobrir quem entre os passageiros teria sido capaz de tamanha atrocidade, antes que o criminoso volte a atacar ou escape de suas mãos.

Esta já é a segunda vez que esta obra de Agatha é adaptada aos cinemas, a primeira foi realizada em 1974 pelo diretor Sidney Lumet e recebeu o Oscar de melhor atriz coadjuvante, sendo ela Ingrid Bergman.

Como ainda não tive a oportunidade de ler este livro, ainda está em tempo, por isso vou correr para lê-la antes do filme entrar no cinema. Vocês já leram? Me contem o que acharam e se estão gostando do fato do livro ser adaptado aos cinemas novamente.



[instagram-feed]