[post-slides]

O Sol é para todos

O Sol é para todosInformações: Escrito pela Harper Lee em 1960, atualmente foi revisado e publicado pela Editora José Olympio.

Classificação: Adulto

Descrição: Um livro emblemático sobre racismo e injustiça: a história de um advogado que defende um homem negro acusado de estuprar uma mulher branca nos Estados Unidos dos anos 1930 e enfrenta represálias da comunidade racista. O livro é narrado pela sensível Scout, filha do advogado. Uma história atemporal sobre tolerância, perda da inocência e conceito de justiça. ‘O Sol é Para Todos’, com seu texto “forte, melodramático, sutil, cômico” (The New Yorker) se tornou um clássico para todas as idades e gerações.

Opinião: Este é um livro que está há um tempo em minha lista de desejados por causa do livro “Claros sinais de Loucura”, esperei uma bela promoção – já que ele está sempre caro, e o comprei-, mas de cara não o li, e assim que tive uma oportunidade chamada férias, comecei a lê-lo.

O livro é narrado pela Jean Louise, ou como é conhecida, Scout. Sua mãe faleceu assim que ela era pequena, por isto ela mora apenas com seu pai Atticus, seu irmão Jem e Calpurnia, que é a cozinheira/babá/governanta. A todo momento participamos das travessuras de infância dela com seu irmão, e depois com o recém chegado, o Dill, sobrinho de sua vizinha.

A primeira parte do livro é destinada a conhecermos a cidade onde Atticus mora, a pequena Maycomb, mas a conhecemos pela visão infantil de Scout, onde ela faz comparações a outras cidades e faz comentários de cidade pequena. As férias de verão trazem o Dill, e neste verão em especifico eles tem como objetivo fazer com que seu vizinho Arthur Radley saia de casa, porque eles não entendem reclusão dele. A partir daí, eles passam a inventar histórias sobre sua reclusão, lhe dão o apelido de Boo e acabam criando um perfil assustador sobre ele. O modo como as histórias são inventadas e como eles ficam atrás do Boo, me fizeram rir, com tamanha inocência. Por eles ficarem brincando na rua e terem uma imaginação fértil, eles ficam tentando entender o que realmente aconteceu, eles encenam e fazem brincadeiras baseadas em suas suposições, coisa de criança mesmo (rs).

O Sol é para todos

Porém na segunda parte do livro a história muda e a infância cheia de travessuras de Scout é roubada a partir do momento que Atticus é nomeado para defender um negro acusado de estupro – injustamente – uma garota branca. Com Atticus defendendo alguém fora dos “padrões”, fora o fim de Maycomb, a cidade muda drasticamente com a família de Atticus, passam a ameaçá-lo, a persegui-lo, e a Scout que já é uma menina pentelha passa a arranjar brigas na escola, por querer defender seu pai.

Jem e Scout não entendem a revolta das pessoas, já que foram criados por uma negra e a veem como parte essencial de sua família, por isso eles passam a se preocupar com seu pai e por sua segurança.

O modo como a Scout coloca a história e as perseguições que ela passa a receber, me revoltou, porque deixa claro assuntos como racismo, discriminação racial, social, preconceitos históricos e os direitos humanos. E isso me pois a pensar em muitas coisas, muitas atitudes que vemos hoje em dia, este livro realmente me baqueou. Ele possui uma história triste e que fez-me colocar no lugar das pessoas que sofrem preconceitos de qualquer forma.

O Sol é para todos

Com um misto de revolta e dó, eu indico este livro a todos, porque todo mundo merece desenvolver um pouco de empatia e conhecer assuntos que não os rondam.

Mês: Março

Mês Março

Sei que faz muito tempo que não posto e ando devendo muiiiiitos posts, por causa disso, mas no segundo semestre de 2016, as coisas ficaram bem mais puxadas e devagarzinho vou voltar a ativa pessoal.

Para iniciar resolvi fazer dicas para o mês de março, as dicas são bem aleatórias, são livros que li desde agosto até agora e que roubaram meu coração e me deixaram ansiosa para chegar ao final da história.

1. O orfanato da Srta. Peregrine de Ransom Riggs – Editora Leya
Descrição:  A história começa com uma tragédia familiar que lança Jacob, um rapaz de 16 anos, em uma jornada até uma ilha remota na costa do País de Gales, onde descobre as ruínas do Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares. Enquanto Jacob explora os quartos e corredores abandonados, fica claro que as crianças do orfanato são muito mais do que simplesmente peculiares. Elas podem ter sido perigosas e confinadas na ilha deserta por um bom motivo. E, de algum modo – por mais impossível que possa parecer – ainda podem estar vivas.

2. Não se enrola, não de Isabela Freitas – Editora Intrínseca
Descrição: A vida de Isabela dá uma completa reviravolta depois do sucesso de seu blog, Garota em Preto e Branco. Decidida a perseguir seus sonhos, ela abandona o curso de direito, deixa a casa dos pais, em Juiz de Fora (MG), e se muda para São Paulo tão logo conquista um emprego numa badalada revista on-line. Enquanto se adapta aos novos tempos numa quitinete no Baixo Augusta, Isabela escreve seu primeiro livro. Seria perfeito se no apartamento em frente não morasse o envolvente Pedro Miller e os dois não se embolassem regularmente sob o mesmo lençol. Não, não é namoro. Não, não é apenas amizade. É algo muito mais enrolado, um relacionamento sem um nome definido. Um “isso”, como diz a personagem. Embora não tenha coragem de confessar seus sentimentos, Isabela sabe que está perdidamente apaixonada pelo seu melhor amigo. Após Não se apega, não e a sequência, Não se iluda, não, Isabela Freitas mostra neste Não se enrola, não os primeiros passos de seus personagens na vida adulta, com toda a independência e as responsabilidades que ela proporciona.

3. Quarto de Emma Donoghue – Editora Best Seller
Descrição: Para Jack, um esperto menino de 5 anos, o quarto é o único mundo que conhece. É onde ele nasceu e cresceu, e onde vive com sua mãe, enquanto eles aprendem, leem, comem, dormem e brincam. À noite, sua mãe o fecha em segurança no guarda-roupa, onde ele deve estar dormindo quando o velho Nick vem visitá-la.
O quarto é a casa de Jack, mas, para sua mãe, é a prisão onde o velho Nick a mantém há sete anos. Com determinação, criatividade e um imenso amor maternal, a mãe criou ali uma vida para Jack. Mas ela sabe que isso não é suficiente, para nenhum dos dois. Então, ela elabora um ousado plano de fuga, que conta com a bravura de seu filho e com uma boa dose de sorte. O que ela não percebe, porém, é como está despreparada para fazer o plano funcionar.

4. O sol é para todos de Harper Lee – Editora José Olympio
Descrição: Um livro emblemático sobre racismo e injustiça: a história de um advogado que defende um homem negro acusado de estuprar uma mulher branca nos Estados Unidos dos anos 1930 e enfrenta represálias da comunidade racista. O livro é narrado pela sensível Scout, filha do advogado. Uma história atemporal sobre tolerância, perda da inocência e conceito de justiça. ‘O Sol é Para Todos’, com seu texto “forte, melodramático, sutil, cômico” (The New Yorker) se tornou um clássico para todas as idades e gerações.

Mês: Março

 

Espero que vocês gostem dessas indicações, pois ando lendo pouco, mas cada leitura está sendo bem curtida e aproveitada de todas as maneiras.



[instagram-feed]