Livro: O Sol é para todos

Informações: Escrito pela…

View more

Usei… E gostei

Mais uma nova…

View more

Livro: O Orfanato da Srta. Peregrine

Informações: É um…

View more

Projeto de Leitura

Desde o ano…

View more

Mês: Março

Sei que faz…

View more

Brincando na cozinha: Pão de minuto

Esta receita além…

View more

Dica de livro: Menina má

Informações: É um romance…

View more

Mês: Agosto

Um novo mês…

View more

Livro: O Sol é para todos

O Sol é para todosInformações: Escrito pela Harper Lee em 1960, atualmente foi revisado e publicado pela Editora José Olympio.

Classificação: Adulto

Descrição: Um livro emblemático sobre racismo e injustiça: a história de um advogado que defende um homem negro acusado de estuprar uma mulher branca nos Estados Unidos dos anos 1930 e enfrenta represálias da comunidade racista. O livro é narrado pela sensível Scout, filha do advogado. Uma história atemporal sobre tolerância, perda da inocência e conceito de justiça. ‘O Sol é Para Todos’, com seu texto “forte, melodramático, sutil, cômico” (The New Yorker) se tornou um clássico para todas as idades e gerações.

Opinião: Este é um livro que está há um tempo em minha lista de desejados por causa do livro “Claros sinais de Loucura”, esperei uma bela promoção – já que ele está sempre caro, e o comprei-, mas de cara não o li, e assim que tive uma oportunidade chamada férias, comecei a lê-lo.

O livro é narrado pela Jean Louise, ou como é conhecida, Scout. Sua mãe faleceu assim que ela era pequena, por isto ela mora apenas com seu pai Atticus, seu irmão Jem e Calpurnia, que é a cozinheira/babá/governanta. A todo momento participamos das travessuras de infância dela com seu irmão, e depois com o recém chegado, o Dill, sobrinho de sua vizinha.

A primeira parte do livro é destinada a conhecermos a cidade onde Atticus mora, a pequena Maycomb, mas a conhecemos pela visão infantil de Scout, onde ela faz comparações a outras cidades e faz comentários de cidade pequena. As férias de verão trazem o Dill, e neste verão em especifico eles tem como objetivo fazer com que seu vizinho Arthur Radley saia de casa, porque eles não entendem reclusão dele. A partir daí, eles passam a inventar histórias sobre sua reclusão, lhe dão o apelido de Boo e acabam criando um perfil assustador sobre ele. O modo como as histórias são inventadas e como eles ficam atrás do Boo, me fizeram rir, com tamanha inocência. Por eles ficarem brincando na rua e terem uma imaginação fértil, eles ficam tentando entender o que realmente aconteceu, eles encenam e fazem brincadeiras baseadas em suas suposições, coisa de criança mesmo (rs).

O Sol é para todos

Porém na segunda parte do livro a história muda e a infância cheia de travessuras de Scout é roubada a partir do momento que Atticus é nomeado para defender um negro acusado de estupro – injustamente – uma garota branca. Com Atticus defendendo alguém fora dos “padrões”, fora o fim de Maycomb, a cidade muda drasticamente com a família de Atticus, passam a ameaçá-lo, a persegui-lo, e a Scout que já é uma menina pentelha passa a arranjar brigas na escola, por querer defender seu pai.

Jem e Scout não entendem a revolta das pessoas, já que foram criados por uma negra e a veem como parte essencial de sua família, por isso eles passam a se preocupar com seu pai e por sua segurança.

O modo como a Scout coloca a história e as perseguições que ela passa a receber, me revoltou, porque deixa claro assuntos como racismo, discriminação racial, social, preconceitos históricos e os direitos humanos. E isso me pois a pensar em muitas coisas, muitas atitudes que vemos hoje em dia, este livro realmente me baqueou. Ele possui uma história triste e que fez-me colocar no lugar das pessoas que sofrem preconceitos de qualquer forma.

O Sol é para todos

Com um misto de revolta e dó, eu indico este livro a todos, porque todo mundo merece desenvolver um pouco de empatia e conhecer assuntos que não os rondam.